Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 15 de Outubro de 2019

Campo Grande

Vereadores reforçam importância da campanha nacional de vacinação contra o sarampo

Câmara Municipal de Campo Grande
Foto: Câmara Municipal de Campo Grande Vereadores

A Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo foi lançada na segunda-feira, em Campo Grande, com a presença do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Inicialmente, o foco será imunizar crianças 6 meses a menores de 5 anos de idade. Já o segundo grupo, previsto para iniciar no dia 18 de novembro, será direcionado para adultos na faixa-etária de 20 a 29 anos que não estão com a caderneta de vacinação em dia. Na sessão ordinária desta terça-feira (8), os vereadores reforçaram a importância da imunização. 

O vereador Dr. Cury, pediatra e hebiatra, fez o apelo na Tribuna da Casa de Leis para falar das dificuldades e das consequências da decisão de famílias que não querem vacinar seus filhos. “É um apelo para que seja feita a vacina contra o sarampo, mas também para todas as vacinas, a exemplo da paralisia infantil que hoje temos nível abaixo do ideal de vacinados. O diagnóstico do sarampo já não é tão fácil”, afirmou. 

Ele alertou sobre o risco das notícias falsas sobre as vacinas. “Os pais precisam ter cuidado em relação às fontes bibliográficas e fake news. Hoje existe, inclusive, uma participação da Secretaria de Educação para que solicite a carteira de vacinação e se não tiver em dia chamar o Conselho Tutelar. Não há forma de, cientificamente, se respaldar contra vacinação”, disse. 

Tramita na Câmara o Projeto de Lei 9500/19, do vereador Ademir Santana, que dispõe sobre a obrigatoriedade da apresentação da caderneta de vacinação no ato da matrícula escolar. Pela proposta, a regra vale para alunos com até 10 anos em todas as escolas públicas ou particulares. 

No aparte, os vereadores falaram ainda da importância de intensificar as ações para vacinação. O vereador Eduardo Romero preocupa-se com o Brasil regredindo no aspecto comportamental, considerando os benefícios das vacinas para a saúde pública. “Estão sendo colocadas hoje dúvidas perigosas e os problemas de saúde estão voltando.  Precisamos levar crianças, além dos jovens e adultos vacinarem-se porque é a forma mais eficaz de controle de patologias”, disse. 

O vereador Dr. Wilson Sami destacou também a conscientização da população sobre as vacinas para evitar situações de retorno de doenças que estavam praticamente erradicadas. O sarampo era considerado doença erradicada do Brasil, mas neste ano o país voltou a registrar casos. Nos últimos 90 dias, o Brasil registrou 5.404 casos confirmados de sarampo e seis mortes, segundo dados do Ministério da Saúde. “A vacina vem dar qualidade de vida para nossas crianças e anciões. O preço da longevidade está na prevenção. Temos que enfatizar e promover mais as campanhas”, disse. 

O vereador Delegado Wellington lembrou do histórico e das situações em que surgem novas doenças no País. “É importante intensificar a prevenção, principalmente de quem vem de fora. Essa ausência de prevenção acaba chegando no posto, gerando problema de saúde pública”, alertou. 

Para o vereador Dr. Loester é importante que além do reforço do Ministério da Saúde para divulgação das campanhas, a população possa ter a garantia de encontrar as doses quando for aos postos de saúde. “Um dos motivos para que a pessoa não procure os postos é que quando faz a campanha bate à porta e não tem mais vacina. Se foi durante meses e não encontrou passa a desacreditar. Por isso, sempre tem que ter vacina”, reforçou. O vereador Fritz destacou que o nosso serviço de epidemiologia é referência e acrescentou sobre o reforço das divulgações. 

VACINA 

A meta é vacinar 2,6 milhões crianças na faixa prioritária e 13,6 milhões adultos. Para isso, o Ministério da Saúde garantiu a maior compra de vacinas contra o sarampo dos últimos 10 anos. Ao todo, 60,2 milhões de doses da Tríplice Viral foram adquiridas para garantir o combate à doença nos municípios, conforme informações do Ministério da Saúde.

Na primeira fase, que vai até o dia 25 de outubro, o público-alvo serão as crianças com idade entre 6 meses e 4 anos e 29 dias.  As doses estão disponíveis nas 69 unidades básicas e de saúde da família de Campo Grande. Terá um “Dia D” no dia 19, onde todas as unidades estarão abertas para a imunização das crianças. Em uma segunda etapa, do dia 18 a 30 de novembro, a vacina estará disponível para pessoas entre 20 e 29 anos de idade. Vacinar contra o sarampo é importante para evitar complicações como cegueira e infecções generalizadas que podem levar a óbito. 

Milena Crestani 

Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal 

Deixe seu Comentário