Campo Grande/MS, 16 de Outubro de 2018

Blog

Artigos religiosos

Por: Padre Kurian

Jesus de Nazaré, a Boa Notícia para o século 21 (22)

Divulgação Parábolas de Jesus
Parábolas de Jesus

Jesus de Nazaré, a Boa Notícia para o século 21 (22)

Parábolas do Reino – a semente e o semeador

Como nós já vimos, numa primeiro momento, o autor do Evangelho de Marcos nos apresentou Jesus de Nazaré, o Filho de Deus, que João Batista anunciava na sua pregação no deserto e batizou no rio Jordão.  Este Jesus começou sua pregação depois que João foi preso. Ele anunciava a chegada do Reino de Deus. O autor nos contou de uma série de atividades do Nazareno para demonstrar a natureza libertadora do Reino, a nova criação. A reação dos poderosos, os “cidadãos de bem”, era decidir mata-lo ao perceber que ele era um perigo para o sistema tradicional que eles mantinham. Entretanto o Nazareno era imensamente popular entre os galileus, o que impedia a eliminação rápida e fácil deste rabino. Logo começaram uma campanha midiática difamadora contra Jesus acusando o de “corrupção”, isto é, ser possuído por Belzebu para poder realizar exorcismos. Era o início de um projeto de alcance longo que eliminaria o elemento que incomodava as elites. Até mesmo a própria família de Jesus chegou a acreditar que ele “ficou louco”; foi o momento em que Jesus anuncia os critérios de pertencer a nova família do Reino de Deus: fazer a vontade de Deus e não mais a consanguinidade.

Nessa conjuntura Marcos começa nos apresentar as parábolas de Jesus. O dicionário define a parábola assim: “narrativa alegórica que evoca, por comparação, valores de ordem superior, encerra lições de vida e pode conter preceitos morais ou religiosos”. No capítulo 4 de Marcos temos uma série de parábolas reunidas, a chave hermenêutica para entender o sentido da prática de Jesus. As parábolas são dirigidas à multidão e aos discípulos. O que chama a nossa atenção é que elas mostram como o anúncio do Evangelho da vida resgatada cria novos conflitos, ou revela os que já existem na sociedade, na vida cotidiana.

O primeiro texto de parábola que temos encontra-se no Mc 4,1-9. Os outros evangelhos sinóticos têm seu paralelo (cf. Mt 13,1-9; Lc 8,4-8). O cenário é a beira-mar. Por causa da numerosa multidão que se reuniu para ouvi-lo, Jesus sentou-se numa barca sobre o mar, ensinava muitas coisas à multidão que estava em terra. Ele ensinava em parábolas; a parábola que o autor nos conta é: um semeador saiu para semear. Aconteceu que parte da semente caiu à beira do caminho; estas, os pássaros as comeram. Outra parte caiu em terreno pedregoso; estas brotaram logo, porém não sobreviveram por falta de condições favoráveis. Outra parte caiu entre os espinheiros, foram sufocadas e não deram frutos. Por fim, a parte que caiu na terra boa produziram frutos; algumas trinta, sessenta e até cem por semente. No final do trecho temos uma admoestação: “Quem tem ouvidos ouça”.

Os textos de Mateus (13,1-9) e Lucas (8,4-8) concordam com o de Marcos em todos os detalhes. A nota de rodapé na Nova Bíblia Pastoral diz o seguinte: “A parábola faz pensar na luta de um camponês sem-terra paciente e confiante, que não desiste mesmo diante dos mais difíceis obstáculos, e confia em poder produzir o que é necessário para sobreviver com sua gente”. Nenhum dos três textos não fala nada sobre a preparação da terra que o semeador faz antes de semear. Todos estes textos repetem o sobreaviso: “Quem tem ouvidos ouça”.

De um lado, o Reino de Deus é uma realidade histórica que segue o ritmo da nossa vida cotidiana, sujeito a destino comum de todos os empreendimentos humanos! De outro lado a advertência: “Quem tem ouvidos, ouça” acentua a importância da decisão humana na realização deste projeto em nosso meio. Será que no fundo dos nossos debates eleitorais não está em jogo a aceitação do projeto de Reino de Deus ou a sua rejeição?

Pe. Kurian.

Deixe seu Comentário