Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 16 de Junho de 2019

Blog

Natalio Abrahao Filho

Natalio Abrahao Filho

Estação de inverno em Mato Grosso do Sul – ano de 2019 Características gerais

Tereré News Tempo chuvoso em Campo Grande/MS.

Início ...... Brasília (12.54h) - MS (11.54h) dia 21 de junho de 2019. 
Término ...Brasília (04.50h) - MS (03.50h) dia 23 de setembro de 2019.

Estação com variações na temperatura consideradas amenas. O primeiro dia é o mais curto do ano. E a noite mais longa. Depois o dia vai aumentando aos poucos. É o período com menos volume de chuva no ano. Chuvas irregulares, mal distribuídas e pouco volume.  
1 - Os eventos meteorológicos significativos são as estiagens que podem ser intensas com graves consequências além das raras frentes frias. 
Essas frentes, em geral, avançam com fraca intensidade, umidade relativa do ar baixa, nebulosidade, nevoeiros e chuvas fracas. Não se descarta a presença de sistema frontal mais intenso, causando chuvas na região Sul até centro do estado. 
2 - O que vem após a passagem das frentes frias são as massas de ar polares. Na parte posterior, essas massas provocam considerável queda de temperatura. 
Se os valores ficarem abaixo dos cinco graus com umidade alta, o orvalho se congela formando geadas em locais mais baixos ou serranos. 
As localidades de Ponta Porã, Amambaí, Dourados, Paranhos, Eldorado, Mundo Novo, Maracaju, Rio Brilhante e Sete Quedas além das cidades situadas no centro-sul, podem registrar valores abaixo de cinco a zero grau e até negativos de temperatura. 
3 - Outro aspecto durante o inverno, são as constantes inversões térmicas causando nevoeiros, nevoas e neblinas, e com umidade baixa, as nevoas-secas e as fumaças.
Quando há inversão térmica os dias sem chuva se intensificam, formam-se ventos, levantam poeira e areia com tendência a irritações e doenças em crianças e idosos. 
Estas inversões, muitas vezes, permanecem durante o período da manhã. O nevoeiro são gotículas d’água que flutuam no ar e reduzem a visibilidade a menos de 1000 m. A nevoa-seca e a fumaça ocorrem com umidade abaixo de 80%.
O ar seco e o vento calmo favorecem a formação da bruma - substâncias sólidas suspensas no ar, muitas vezes decorrentes de queimadas e incêndios, ou também como a poeira e a fumaça - poluindo o ar. 
4 - Índices de umidade abaixo de 30% são esperadas entre junho e setembro, bem como temperaturas máximas acima dos 30 graus, até o fim da estação.
El Niño - O fenômeno El Niño Oscilação Sul (ENSO) contribui significativamente para as flutuações climáticas sazonais em muitas regiões do globo. Essas flutuações trazem implicações sociais e econômicas para as populações humanas e o meio ambiente.
A previsão mostra condições de El Niño de fracas a moderadas (aproximadamente 1,0ºC na região Nino3.4 SST) para maio-julho, diminuindo para condições fracas (0,5 - 1,0ºC) de junho a agosto a agosto-outubro. 
El Niño permite facilidade no avanço de massas frias das latitudes polares até o sul do MS. Os modelos indicam no final de junho ao final da segunda semana de julho, a presença de massa de ar polar trazendo temperaturas baixas próximas entre cinco e dois graus no centro-sul e de cinco graus na capital do MS.  
Mesmo no inverno, dias com calor, especialmente durante julho e agosto. Não raro nestes meses chega a ocorrer seqüência de vários dias quentes com as máximas acima dos trinta e cinco graus.
 

 
Historicamente falando - Os eventos El Niño tende a se desenvolver durante o período de abril a junho e ...
•    Atinge a força máxima durante o período de outubro a fevereiro
•    Normalmente persiste por 9 -12 meses, embora ocasionalmente podem persistir   
•    por até 2 anos
•    Recorrem tipicamente a cada 2 a 7 anos

Chuvas - Os modelos mostram uma redução preocupante dos índices pluviométricos a partir de meados de junho, o mês de julho e parte de agosto, no estado. 
As chuvas devem prosseguir abaixo das médias na região centro-norte, oeste e leste. No entanto, prosseguem também, menor redução abaixo das medias no sul, sudoeste e sudeste do MS. Praticamente todo o estado. O registro dos totais de chuva, somados no trimestre, não devem ser superiores a 150 mm. 

A média do trimestre Julho-Agosto-Setembro em Mato Grosso do Sul

Nas Regiões Norte e Nordeste em torno dos 100mm a 115mm. Regiões Leste e Sudeste em 110mm a 130mm. Na região Centro, Sul e Sudoeste, em torno dos 130mm a 150mm.
Na região Nordeste para Leste potenciais chances de estiagens acentuadas para valores de emergência entre meados de julho até o final da estação. 
No extremo sul do MS predominam totais de chuva em todo o trimestre, entre 140 mm e 190 mm.
Em outras palavras... 
Há previsão de intensas estiagens com dias e dias sem chuvas significativas, manhãs frias e tardes quentes e secas. 
Episódios de Umidade Relativa do ar abaixo dos 20% irão se repetir com frequência. Os focos de calor vão se multiplicar. A nevoa seca vai se fortalecer com a qualidade do ar agravada nas tardes e noites em todo o estado. 
Os municípios com possibilidade de episódios de umidade e temperatura críticas são.
Oeste - Corumbá, Ladário, Miranda, Bodoquena e Murtinho. 
Norte - em Coxim, sonora, Pedro gomes, Rio Verde e Alcinópolis. 
Leste - em Água Clara, Inocência, Paranaíba, Aparecida do Tabuado, Selviria, Ribas do Rio pardo e Três Lagoas. 
O quadro abaixo mostra os valores históricos de algumas localidades ou região do estado. Reafirmamos que a previsão é de chuvas abaixo desses números em pelo menos 20%. Alguns locais podem ficar ate 50% abaixo. 


medias históricas em - MS    chuvas        
LOCALIDADES         Junho    Julho    Agosto    Setembro
água clara    028,7    025,8    028,7    075,0
Amambai         033,8    051,4    060,9    123,5
Aquidauana    043,5    020,7    028,2    096,7
Bataguassu    043,2    034,0    037,3    090,8
bela vista         061,3    034,3    046,3    067,1
campo grande    037,7    025,3    038,1    073,9
Cassilândia    021,6    016,0    022,4    075,1
chapadão         020,2    015,1    030,4    079,1
Corumbá         021,3    013,7    025,3    041,6
costa rica         021,2    016,2    028,3    075,1
coxim         022,4    024,2    035,8    056,8
dourados         078,0    043,8    044,3    110,0
Itaquirai         077,8    050,6    064,4    120,6
Ivinhema         065,9    042,2    045,7    106,3
Jardim         056,9    032,7    047,2    078,8
Juti         084,3    047,5    054,3    120,2
Maracaju         078,5    045,1    053,2    105,3
Miranda         036,3    224,0    035,4    057,4
Nhumirim    020,5    015,5    022,5    043,9
Paranaíba    030,1    025,1    013,4    055,1
Ponta Porã    088,1    050,2    057,8    111,0
Porto Murtinho    045,9    025,6    034,2    047,6
Rio Brilhante    068,1    042,5    048,4    038,1
são Gabriel    035,4    019,7    030,0    062,4
Sete Quedas    085,5    051,0    067,7    125,7
Sidrolândia    048,4    311,0    043,3    087,8
Sonora         019,4    013,6    021,6    068,2
Três Lagoas    035,5    029,1    021,0    061,0
                

•    CAMPO GRANDE - INVERNO
•    Valores históricos de Chuvas
JUL................AGO..............44,8 mm
45,7 mm.........39,7 mm........ Recorde de Chuvas em 24 horas
                                                                07/06/81
24/07/79.........28/08/89..........53,4 mm
60,8 mm.........37,3 mm.........undefined
•    Valores históricos de Temperatura Mínima
JUN................JUL................AGO
15,3ºC.............14ºC..............16ºC
•    Recorde de Temperatura Mínima
08/06/85..........20/07/81........14/08/75
1,7ºC...............00,6ºC........... - 01,4ºC
•    Valores históricos de Temperatura Máxima
JUN.................JUL...............AGO
26,1ºC..............26,7ºC........... 29ºC
•    Recordes de Temperatura Máxima
06/06/71...........29/08/88........20/09/13
32ºC.................35,8ºC...........35,6ºC


Índices pluviométricos previstos entre 20 de junho a 20 de julho 2019. Em MS – Índices pluviométricos previstos ficar abaixo a próximo das medias.


 

Índices pluviométricos de 20 de julho a 20 de agosto de 2.019
Em MS – Índices pluviométricos dentro das medias com tendência a ficar abaixo das medias. O extremo sul deve ter chuvas significativas.

Índices pluviométricos previstos para 20 de agosto a 20 de setembro de 2.019
Em MS – Chuvas dentro das medias históricas, exceto região leste, sudeste com índices abaixo das medias, com chances de estiagens fortes.

Resumo - Chuvas e Temperaturas
Com o fraco evento El Niño, o cenário poderá mudar para neutralidade. “As portas para as ondas de frio mais fortes devem ocorrer no Sul (RS-PR-SC) do Brasil”. 
Mas as regiões nordeste e centro-oeste do MS devem se preparar para a estiagem e a falta de chuva que vem por aí. 
Reservatórios de São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul precisam se programar para esta situação. 
Em contraste, as obras de asfalto, calçadas, casas, prédios e vegetação terão tempo e clima para gestões nos planos de ação. 
“Há indícios de uma provável permanência do fraco evento El Niño no segundo semestre, que ainda precisa ser confirmado, mas se ocorrer, os impactos na próxima primavera no MS, produzirá oscilações de umidade que pode ameaçar a agropecuária.

Em junho - tendência de chuvas abaixo das medias históricas até final do mês. 

Exceções 

Regiões sudeste e sul do estado com 35% de chance de chover próximo da média. Após o início do inverno, tendência de redução nos índices em todo o estado. A região norte, nordeste e oeste, forte tendência de ficar abaixo, mais uma vez. 
Quanto as temperaturas - Episódios de massas de ar polar devem ocorrer no começo do inverno dia 20. Até o final do mês outra massa de ar fria com valores abaixo dos 10 graus na região central e abaixo dos seis graus no sul do estado. 
Há chances pequenas de geadas entre dourados e sete quedas. Nevoeiros são freqüentes neste período.

Em JULHO E AGOSTO - tendência para falta de chuvas e abaixo das suas medias históricas em todo o estado. O mesmo deve ocorrer com as temperaturas, tendência de ficar acima das medias em todo o estado. Há forte indicação de elevação acentuada nas temperaturas nos dois meses. Valores acima de 35 graus nas máximas e acima de 18 graus nas mínimas são esperadas. Estiagens com mais de 20 dias devem se manter em função de massas de ar quente e seca instalando-se no país influenciando em todo o estado. 

Índices de temperaturas previstas entre 20 de junho e 20 de julho de 2.019
Em MS 45% de chances de ficar acima das medias
 


Indices de temperaturas medias entre 20 de julho e 20 de agosto de 2.019
Em MS - Chances de 50% em ficar acima das medias
 


Indices de temperaturas medias entre 20 de Agosto a 20 de Setembro de 2.019.
Em MS, chances de 45% em ficar acima das medias.
 


Quando ocorre um El Niño fraco como o que estamos vivenciando, o Oceano Pacífico transfere pouca quantidade de calor e vapor para atmosfera, em seguida, há um aquecimento. 
 
Temperaturas
Tem grande amplitude (diferença entre a máxima e a mínima diária) com calor durante o dia e noites mais frias. Há pouca chance de surgimento de geadas em locais mais baixos indicando presença de massas de ar polares. Esta tendência aumenta quando as temperaturas caem a menos de 05 graus avançando pelo extremo sul do país, adentrando nas regiões do sul do MS.
Quanto as temperaturas - Episódios de massas de ar polar devem ocorrer no começo do inverno dia 20. Até o final do mês outra massa de ar fria com valores abaixo dos 10 graus na região central e abaixo dos seis graus no sul do estado. 
Há chances pequenas de geadas entre dourados e sete quedas. Nevoeiros são frequentes neste período.

Valores estimados de temperaturas mínimas para cada região do estado.
Região-------------julho--------agosto--------setembro
Central.............05...........09............11,1
Norte...............08,0.........11............13
Nordeste...........07,5.........09,5..........12,1
Leste...............09,9.........12............15,7
Sudeste.............06,4........09,4..........16,6
Sul..................03,1........06,3..........12,4
•    * Média histórica – valor de chuva ou temperatura cujos valores são avaliados em um período de trinta anos.
•    Medias Historicas no MS. – Probabilidades.
Temperaturas
            Na Região Norte e nordeste do MS, as temperaturas continuarão elevadas. 
            Nas regiões central e sul, temperaturas abaixo dos 15 graus e ate abaixo de 11. 
            Graus vai indicar o avanço das massas de ar polares. 
            As regiões sudoeste e Oeste podem sentir temperaturas bastante reduzidas, 
            Até abaixo dos 10 graus do meio para o fim da estação. 
            Já as regiões leste e sudeste, temperaturas mais amenas abaixo dos 15 graus, 
            Indicarão massas de ar de média intensidade. O nevoeiro, associados à umidade. 
            Relativa alta e em alguns casos, ao frio, será frequente no centro-sul. A 
            Visibilidade horizontal reduz-se nesses eventos nas madrugadas e manhas. Períodos de estiagens
             Pode ocorrer com grande duração (mais de 25 dias) a partir de junho com um dia de chuva fraca ou chuvisco, seguindo ao fim da estação. A irregularidade na frequência de chuvas no inverno pode comprometer os níveis dos lagos das hidrelétricas da região centro-oeste. 

Umidade Relativa

 Em todas as regiões deve persistir a umidade relativa média máxima, próxima dos 65% pela manha e mínimas a tarde em torno dos 30% ou menos. Exceção à região oeste com valores máximos em torno dos 80% pela manhã e 35% à tarde. 
As mínimas devem cair acentuadamente à tarde podendo chegar já em fins de junho, aos valores próximos aos 20% e seguir por toda a estação
A frequência de umidade baixa aumenta o risco de nevoa-seca, poeira, fumaça e partículas em suspensão no ar. Com os episódios críticos de umidade, as queimadas tendem a se elevar. As regiões com maiores índices são o oeste, norte e leste.
As chuvas, nuvens, nevoeiros e ventos só ocorrem com a passagem de frentes frias provenientes do sul do continente e, em alguns casos, acompanhadas de massas de ar polares. O mais frequente no MS serão as massas de ar quente e seca, principalmente a partir do mês de julho. Outono e inverno são estações com menor incidência de raios (descargas atmosféricas), mas neste inverno as chances são mínimas de ocorrer. Persistem raios UV e, em alguns casos, elevado.

Alerta – Este Prognostico foi elaborado com referência aos modelos do CPTEC/INPE, INMET e centros de meteorologia dos EUA e a estatística da Uniderp. Nenhuma garantia explicita é dada pelo uso inadequado dos seus números. A uniderp exime-se de qualquer responsabilidade por resultados não esperados pelos usuários.
•    Estação Meteorológica e Climatológica da UNIDERP
•    Prof. Natalio A. Filho – CREA MS 8953-d
 

Deixe seu Comentário