Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 23 de Outubro de 2019

Saúde

Terapeuta explica como a Constelação Familiar pode solucionar conflitos familiares, vícios e doenças

Fládima Christofari
Foto: Divulgação Fládima Christofari

Em uma palestra aberta ao público, a terapeuta, consteladora familiar sistêmica e especialista em teoria psicanalítica - Rosy Faria Miranda - explicará como funciona e quais sãos os resultados de um tipo de terapia que vem se popularizando no Brasil – a Constelação Familiar Sistêmica. A apresentação será realizada no dia 23 de julho, às 19h, no auditório do espaço Vide Vida, localizado na Av. Rachid Neder, 863. A entrada é 1kg de alimento não-perecível - essas doações serão entregues em comunidades carentes por meio dos Vicentinos.



Difundida pelo psicoterapeuta alemão Bert Hellinger, a constelação familiar é uma terapia utilizada no âmbito familiar, escolar, organizacional e jurídico, com o objetivo de resgatar a dignidade, imagem corporal, autoestima, afetividade e solucionar conflitos interpessoais, financeiros e até doenças. Segundo a terapeuta, Hellinger criou um guia para o trabalho com constelações familiares baseados nas ordens do amor, que são: o direito de todos de pertencer ao sistema, o equilíbrio entre dar e receber e o respeito à hierarquia.



A palestrante Rosy Faria destaca que o principal diferencial entre a constelação familiar e as demais terapias é que ela considera não só o indivíduo, mas o sistema de onde ele veio. “O ser humano não carrega em si somente os genes de seus familiares, mas todas as informações de gerações passadas que estão no inconsciente e na alma de cada um”, explicou.



Problemas em que a Constelação pode ajudar



Segundo Rosy, a Constelação Familiar pode ajudar em todos os problemas de origem sistêmica, ou seja, o relacionamento entre casais, as relações entre pais e filhos, além de todos os tipos de vícios, problemas emocionais e até mesmo de saúde física. 



A aplicação original da Constelação Familiar se deu para fins terapêuticos com clientes que se viam envolvidos em problemas que eles não conseguiam reconhecer a sua origem, entretanto, atualmente, pode ser utilizada no direito, na pedagogia, na administração de empresas, no olhar para a saúde, entre outros.



“A constelação reordena o amor e imprime novas informações que repercutem em todo o sistema familiar. Quando todos são vistos e aceitos com amor, as pessoas tomam o seu lugar e se responsabilizam pela vida”, concluiu.



Sobre a palestrante



Rosy Faria Miranda é fisioterapeuta, terapeuta psicocorporal morfoanalista, mestre em saúde coletiva, consteladora familiar sistêmica e especialista em teoria psicanalítica. Foi colaboradora e pesquisadora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) por 12 anos. É professora independente de massoterapia, reflexologia, abordagens corporais e psicossomática.

Deixe seu Comentário