Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 23 de Setembro de 2019

Saúde

ONG alemã quer ampliar parceria com a SESAI

Assessoria de Comunicação
Foto: Assessoria de Imprensa ONG alemã quer ampliar parceria com a SESAI

Representantes da ONG alemã Target Reudiger Nehberg participaram nesta quarta-feira (22/05), em Brasília, de uma reunião com a secretária Sílvia Waiãpi, titular da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI). Parceira da SESAI em alguns projetos, a ONG pretende ampliar suas ações de saúde em territórios indígenas brasileiros. De origem alemã, a Target Reudiger Nehberg foi criada em 2000, com atuação no continente africano, onde até hoje trabalha contra a mutilação genital feminina – um problema de saúde pública enfrentado por milhares de mulheres da África.

No Brasil, a Target Reudiger Nehberg iniciou seu trabalho em 2002 no norte do Estado do Amapá, onde construiu um posto de saúde no território indígena da etnia Waiãpi. Atualmente, a ONG cuida da manutenção de um posto de saúde e de um Polo Base no Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Amapá e Norte do Pará em parceria com a SESAI, órgão do Ministério da Saúde (MS) responsável por fornecer profissionais de saúde, medicamentos e equipamentos instalados nessas unidades.

O objetivo do encontro desta quarta-feira com a secretária Sílvia Waiãpi discutir parceria com a SESAI, para colocar em operação mais um posto de saúde que está sendo construído pela Target Reudiger Nehberg no Amapá. Além disso, conversaram sobre os meios legais que podem facilitar a ampliação de acordos de cooperação técnica para construir novos postos de saúde em outros territórios indígenas.

A secretária Sílvia Waiãpi também apresentou aos representantes da Target Reudiger Nehberg um projeto da SESAI que está sendo desenvolvido para atender exclusivamente às mulheres indígenas e o tema voltará a ser debatido em novo encontro da SESAI e a ONG. Como integrante da etnia Waiãpi, a secretária Sílvia aproveitou para agradecer aos representantes da ONG, em nome do povo Waiãpi, pela atuação nos territórios indígenas do Amapá.

Deixe seu Comentário