Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 17 de Outubro de 2019

Esportes

Love sobre pressão de corintianos: Nos cobramos tanto quanto eles

R7 Notícias
Foto: Divulgação / Assessoria lovejpeg.jpg

O elenco do Corinthians está insatisfeito com seu rendimento em campo. Quem garante isto é o atacante Vagner Love, um dos jogadores mais experientes do Timão. Nesta sexta, minutos após o fim do protesto organizado pela Gaviões da Fiel na porta do CT Joaquim Grava, o jogador conversou com os jornalistas e confessou que internamente também há muita cobrança.

"Nós jogadores nos cobramos. Sabemos do resultado ruim que tivemos nessa semana. Estamos nos cobrando muito por conta dessa derrota. Do jeito que eles estão nos cobrando, nós fazemos aqui dentro. Temos que mudar nossa atitude. Temos que fazer melhor do que fizemos nessa última partida", afirmou o camisa 9 do Corinthians citando o revés sofrido para o Independiente Del Valle, do Equador, na última quarta-feira.
Depois de perder por 2 a 0, em casa, no primeiro jogo da semifinal da Copa Sul-Americana, o Corinthians se viu diante do caos. O time vem sendo muito cobrado pela postura defensiva e pelo desempenho nos últimos jogos. Vale lembrar que o Timão já chegou a ficar cinco pontos atrás dos líderes do Campeonato Brasileiro e hoje vê o Flamengo com dez pontos de vantagem. Fora isso, a equipe está em uma situação extremamente delicada na Copa Sul-Americana após a derrota frustrante para o Del Valle.
Na visão de Vagner Love, a solução dos problemas do clube do Parque São Jorge passa por uma mudança de postura, principalmente nos jogos dentro de casa, quando o Corinthians venceu apenas um dos seus últimos quatro jogos.
"Quando a gente joga dentro de casa temos que propor o jogo, dividir bola e ganhar. É o que a gente se cobra todo o tempo. Quando falo em atitude, falo em relação a tudo. Jogando dentro de casa tem que ser agressivo, competir mais. Acho que isso faltou para nós no último jogo. Lógico, não quero tirar os méritos da equipe adversária que foi muito bem. Quero dar os méritos a eles por essa partida", concluiu Love.
Pressionado, o Timão volta a campo sábado, 19h, para enfrentar o Bahia pela 20ª rodada do Campeonato Brasileiro. Na quarta, o Alvinegro volta a medir forças com o Independiente Del Valle pela semifinal da Copa Sul-Americana. Para ficar com a vaga na decisão, o Corinthians precisa tirar uma desvantagem de dois gols sofridos em Itaquera.
Confira outros trechos da entrevista coletiva de Vagner Love:
Sobre a crítica do técnico Fábio Carille aos jovens Mateus Vital e Pedrinho após a derrota contra o Del Valle
Fiquei sabendo hoje. Não procuro me estender nesse tipo de assunto. Acho que as pessoas fantasiam algumas coisas. Cobrança é para todos, estamos todos em busca dos mesmos objetivos. Se o Carille citou o Mateus e o Pedrinho, eles não jogam sozinhos. Todos nós fizemos um jogo ruim e por isso perdemos de 2 a 0 jogando na nossa casa. A culpa é de todos, não é de um ou de outro. Não vejo o motivo de cobrar alguns jogadores. Não escutei a declaração deles. Tenho certeza que isso foi muito bem administrado entre as partes. Temos um convívio muito bom aqui dentro e todos nos respeitamos aqui dentro.
Corinthians jogará com time misto contra o Bahia?
Vai depender do Carille. Vai ter uma avaliação da parte médica. O Carille vai escalar a melhor equipe para fazermos um bom jogo amanhã.
É possível reverter o resultado na Copa Sul-Americana?
Temos jogos no futebol que nunca imaginamos que a situação possa ser revertida. Esse ano mesmo o Barcelona levou uma virada do Liverpool na Champions League. O futebol te dá esse momento de virar situações que algumas pessoas não acreditam. Pela minha experiência, por estar no Corinthians, acredito muito nessa classificação.
Houve algum tipo de conversa após a derrota para o Del Valle?
Conversamos bastante sobre o que pensamos, sobre o que achamos. Algumas coisas ficarão entre a gente, mas algumas a gente pode falar. Uma delas é a cobrança. A gente está conversando sobre a nossa atitude. Sabemos que fizemos jogos ruins.
Queda de rendimento após uma série de 14 de jogos de invencibilidade
Já tinha falado isso depois do jogo contra o Fluminense. Quando a gente perde temos que assimilar algumas coisas. O que fizemos de errado contra o Fluminense, contra o Del Valle, temos que melhorar. É nessas horas que a cresce em questão de coletivo, de grupo. de fazer coisas melhores para voltar a vencer. A gente sente as últimas derrotas, sabemos que não apresentamos um bom futebol, mas é momento de nos unirmos para que possamos voltar a vencer e fazer bons jogos para termos uma boa reta final de campeonato.
Corinthians precisa mudar sua postura tática?
Sobre a questão tática, não acho que tenha que mudar. Criamos uma maneira de se jogar. No meu modo de ver, o Corinthians sempre foi uma equipe, nos últimos anos, que se defende bem. Acho que o clube tem uma identidade de se defender bem, de sair muitas vezes no contra-ataque. Foi assim que o time foi campeão e não acho que o Corinthians tenha que mudar sua identidade, sua maneira. Ganhamos o Paulista assim e acredito que temos chance de sermos campeões assim.
Sobre quão difícil vai ser o Corinthians ter um time ofensivo parecido com o de 2005, quando terminou a temporada campeão brasileiro
Não sei se será difícil, mas ia citar aquele ano de 2015. Se você for citar aquele ano fomos eliminados do Paulista, Copa do Brasil e Copa Libertadores precocemente. Sabíamos que tínhamos condições. Naquela época os jogadores, principalmente os do meio de campo, estavam em grande fase. Cada ano é uma situação diferente. Esse ano tínhamos mais de 15 jogadores contratados e isso dificulta o trabalho do treinador. Esse ano de 2019 tivemos as dificuldades e conseguimos conquistar o Campeonato Paulista, isso mostra a evolução que o Corinthians teve nesse ano.
Qual postura o Corinthians deve ter contra o Bahia?
Temos que ser agressivos, temos que ir em busca do resultado, jogar para frente. Amanhã temos um jogo importante contra o Bahia e depois pensaremos na quarta-feira.
Sobre queda brusca de rendimento e sobre possíveis culpados
Não porque tivemos melhorias significativas depois da parada da Copa América. Tivemos um tempo para trabalhar e o Carille conseguiu fazer com que a gente melhorasse em vários aspectos. A cobrança não pode ser só em cima do Carille, tem que ser em cima de todos. Errou o Carille e erramos nós jogadores. É 50% culpa dele e 50% culpa nossa.

Deixe seu Comentário