Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 22 de Abril de 2019

Espiritualidade e religião

Jornalista Luiz Corrêa realiza palestra em homenagem aos 109 do nascimento de Chico Xavier

Assessoria de Comunicação
Foto: Divulgação Chico Xavier e Luiz Cor­rêa
Chico Xavier e Luiz Cor­rêa

O Jornalista Luiz Corrêa da Silveira Filho estará na quinta­-feira, dia 27 de março em Três Lagoas(MS), no Centro Espirita Centro Espírita Fé e Caridade, Casa da Sopa, lo­calizado na Rua Augusto Cor­reia da Costa, Jardim Alvora­da em Três Lagoas (MS). Luiz Corrêa estará homenageando e lembrando do Missionário do Amor, o médium Francisco Cândido Xavier, pelo seu nas­cimento, 02/04/1910, 109 anos.

O jornalista Luiz Corrêa da Silveira Filho, diretor dos Jornais Correio de Três Lagoas e Jornal Espírita de Três Lago­as, sempre viaja pelo Brasil, di­vulgando a vida de Chico Xa­vier.

Três Lagoas foi a primei­ra cidade no Brasil a homena­gear Chico Xavier após a sua desencarnação, dando o nome dele à rua do Grupo Espíri­ta José Grosso e Maria João de Deus.

História de Luizinho e Chico Xavier

Nas palestras, Luiz Cor­rêa conta que depois de 58 dias da perda material da filha, foi aconselhado por amigos a ir, com a família, a Uberaba-MG, conhecer o médium mineiro. Chegaram numa quarta-feira e o Chico só trabalhava no sábado. Lembra que ficou de quarta-feira até sábado muito abatido e chorava muito , em frente à casa de Chico Xavier. Os vizinhos, com pena da fa­mília, no sábado logo cedinho orientaram eles para ficarem ao lado do portão, pois por ali o Chico parava e atendia a todos, Foi aí que eles ficaram num empurra-empurra, pois todos também queriam ver e falar com o médium.

Luiz Corrêa ficou ali na esperança de falar com Chico, quando no sábado, às 18h30, seu filho adotivo, Eurípedes Higino dos Reis, saiu dirigindo o carro, quando Chico sorriu para ele, mandou o filho parar e lhe perguntou porque chorava. Ele respondeu que havia per­dido a filha. Chico perguntou: “Como ela se chama?” “Elai­ne”, respondeu Luizinho. “Sua filha se chama Heleyne – com H e com Y”, enfatizou Chico. Luiz chorou muito, pois a sua filha tinha um charme com o nome dela. Se alguém dissesse que ela se chamava Elaine, ela ficava brava e dizia: Meu pai me registrou assim: Heleyne – com H e com y”. Luiz Corrêa percebeu que sua querida filha estava ali, viva; era ela mesmo. Chico chamou Luiz para ir ao Centro Espírita. Naquela ma­drugada, ele recebeu uma lin­da e esclarecedora carta de sua filha, que assinava: Heleyne Cristina, assinatura autentica, a mesma dos documentos.

Nas palestras, Luiz Cor­rêa narra toda a sua gratidão e amor a Chico Xavier. Esclare­ce também sobre a cura de seu filho Adriano, e outros relatos da grande amizade com o Chi­co, surgida pela dor da perda da filha querida, fato que desde 1987 até a sua desencarnação, em 30 de junho de 2002, fez nascer essa grande amizade en­tre ele e o médium.

No evento nacional, em abril de 2002, nas comemora­ções dos 100 anos de Chico Xa­vier, foram quatro convidados para, em Uberaba-MG, ho­menagear os 100 anos do Chi­co. Na Casa máter do Espiritis­mo, com mais de 110 anos de fundação, Luizinho foi quem encerrou todas as homenagens ao Chico; com a Casa lotada, ele fa­lou de sua amizade com o missionário do amor e do bem; disse que agradece a Deus por ter conhecido Chico Xavier. O famoso cantor espírita Sérgio de Carvalho foi o convidado da noite, na abertura da palestra do Luizinho. Fa­miliares e amigos do Chi­co superlotaram a Casa.

Em 2015 e 2016, o Jornalista Luiz Corrêa foi homenageado pelo Tri­bunal de Justiça de Mato Grosso do Sul como me­lhor profissional da im­prensa do Estado de Mato Grosso do Sul.

Em Uberaba, na pa­lestra desta quinta-feira, acompanhará o Jornalista, seu amigo e Juiz Federal Dr. Fernão Pompeô de ca­margo.

No final das pa­lestras, Luizinho tem o hábito de distribuir va­rias fotos, jornais espíritas e DVDs sobre a vida e a missão de Chico Xavier

Deixe seu Comentário