Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 25 de Agosto de 2019

Campo Grande

Irregularidades: Walmart de Campo Grande é mais uma vez autuado pelo Procon

Waldemar Hozano - Procon/MS
Foto: Tereré News Unidade do supermercado Walmart em Campo Grande

Campo Grande (MS) – Ação desenvolvida pela equipe de fiscalização da Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor – Procon/MS, órgão vinculado à Secretaria de Estado de  Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho – Sedhast, na  sexta-feira ( 01.02),  flagrou inúmeras irregularidades que, em última análise, resultariam em prejuízo para o consumidor,  na loja do Walmart Brasil Ltda,  em Campo Grande.

De acordo com levantamentos, esta é a quarta vez que, no período de um ano (de janeiro de  2018 a janeiro de 2019) a  empresa é notificada pelo Procon Estadual por descumprimento às boas práticas  de comercialização de produtos considerados essenciais para  a população. Os problemas  elencados pela fiscalização vão de prazo de validade  expirado,  produtos impróprios para o consumo e, ainda,  diferença entre os preços divulgados em tablóide e os efetivamente praticados nos caixas  da unidade.

Entre os produtos fora do prazo e expostos para comercialização ressalta-se 49 unidades de tempero para carnes, 33 pacotes de biscoitos diversos, 17  unidades de cookies além de vários outros como é o caso de castanhas, produtos lácteos  iogurtes, arroz integral e refrigerantes em menor quantidade.

Na unidade comercial  foram registradas outras irregularidades, entre as quais a recusa de emissão de nota fiscal sendo os  funcionários do local instruídos a induzir as pessoas que necessitam do documento a “acessarem o site da receita e o emitirem”. Além disso, há divergência entre preços publicados em tablóide de divulgação e os que são praticados nos caixas.

Entre os produtos publicados com  preços divergentes estão picanha, contrafilé e cupim bovinos, além de kits de lápis preto,  régua escolar e caderno universitário. O superintendente do Procon Estadual lembra à comunidade  que “é necessário que o consumidor que encontrar  irregularidades denuncie para o Procon poder entrar em ação.  Toda reclamação será  verificada e, havendo procedência, a fiscalização se dirigirá ao local  com objetivo de fazer  cessarem os abusos”.

Deixe seu Comentário