Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 23 de Outubro de 2019

Educação

Indígenas de Campo Grande são as únicas brasileiras a participarem da Conferência Internacional da Línguas Indígenas no Canadá

Assessoria de Comunicação
Foto: Divulgação Indígenas de Campo Grande/MS


Decretado pela Unesco, o ano 2019 é, oficialmente, o Ano Internacional das Línguas Indígenas pela necessidade urgente de se preservar, revitalizar e promover os idiomas nativos no mundo. Um dos eventos ligados a essa agenda é a Conferência Internacional das Línguas Indígenas, que acontece no período de 24 a 26 de junho próximo na cidade de Victoria, no Canadá, e contará com a participação de duas índias Terena radicadas em Campo Grande e moradoras da Aldeia Urbana Marçal de Souza, no Bairro Tiradentes, a Chefe de Divisão de Cultura Indígena da Sectur – Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, Maria Auxiliadora Terena, e da Educadora Social da SAS – Secretaria de Assistência Social, Fabriciane Malheiro.

A participação das duas profissionais indígenas na Conferência canadense teve início em 2018, quando a SEMU - Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres, intermediou junto à Embaixada do Canadá o apoio financeiro para a revitalização do Memorial da Cultura Indígena, unidade da Sectur localizada na Aldeia Marçal de Souza. O embaixador canadense, Riccardo Savone é um estudioso dos povos indígenas e, ao assumir a pasta em Brasília, interessou-se pela cultura indígena brasileira, apoiando projetos culturais e obras, como a do Memorial.

O convite partiu da Fundação Cultural Primeiros Povos e da Comissão Canadense da UNESCO, que providenciou passagem e hospedagem para as duas participantes. Segundo a Embaixada, Maria Auxiliadora e Fabriciane são as únicas participantes do Brasil nessa Conferência.

Pela primeira vez em Campo Grande uma Secretaria de Cultura assume em seu organograma a Cultura Indígena. A Capital de Mato Grosso do Sul conta com mais de 10 mil índios radicados no Município, a maior parte das etnias são Terena, Guarani e Kadiwéu. A Sectur trabalha pela preservação das culturas nativas e pela integração social dessas comunidades por meio da valorização dos usos e costumes desses povos.  

Atualmente, existem de 6 a 7 mil línguas no mundo, mas apenas 4% delas são faladas por 97% da população mundial. Esses dados mostram o ritmo alucinante com que os idiomas tendem a desaparecer. A extinção de um idioma causa a perda da história e das tradições culturais de um povo. 

Sobre as convidadas

Maria Auxiliadora Bezerra é pedagoga, artesã e funcionária da Prefeitura Municipal, lotada na SECTUR, onde responde pela Divisão de Comunidades Indígenas. Ela é filha da líder indígena Enir Terena, a primeira mulher reconhecida como cacique em Mato Grosso do Sul, co-fundadora da Aldeia Marçal de Souza. Fabriciane Malheiro nasceu na Aldeia Ipegue, no município de Aquidauana, é formada em Letras com especialização em Cultura Indígena e está cursando Pedagogia, trabalha na Secretaria Municipal de Assistência Social. 


Deixe seu Comentário