Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 19 de Outubro de 2019

Agro e sustentabilidade

Horta hidropônica do presídio de Nova Andradina une ocupação prisional e assistência social

Governo do Mato Grosso do Sul
Foto: Governo do Mato Grosso do Sul Horta hidropônica do presídio de Nova Andradina

Com foco na ressocialização dos custodiados por meio da ocupação laboral, uma horta hidropônica instalada no Estabelecimento Penal Masculino de Nova Andradina (EPMNA) está servindo para ajudar também as instituições da cidade com a doação de verduras cultivadas pelos detentos.

O projeto foi idealizado pelo diretor do presídio, Edir Rubens Queiroz Campos, para a capacitação dos internos na área agrícola, conhecimento que pode representar geração de renda quando conquistarem a liberdade.

O plantio foi iniciado no final do mês de abril deste ano e conta com o trabalho de quatro reeducandos que, pelo serviço, recebem remição de um dia na pena a cada três trabalhados, conforme estabelece a Lei de Execução Penal (LEP). Os internos participaram também do processo de estruturação dos espaços. Na unidade, existe, ainda, o método tradicional de cultivo na terra.

Com a colheita, está sendo possível ajudar quem contribui com a vida de pessoas além dos muros da unidade prisional. Neste mês, foram doadas verduras à Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), Hospital Regional e Asilo Lar Sagrado Coração de Jesus.

“Grandes transformações acontecem de dentro para fora, então pretendemos com esse projeto, mostrar à sociedade que é possível a ressocialização, através do trabalho e da educação, dentro do sistema prisional”, destaca o diretor da unidade.

A horta hidropônica conta com 12 canteiros distribuídos em um sistema feito à base de canos de PVC. No local já foram plantados alface, rúcula e almeirão, a partir de sementes doadas pela empresa Salada Shop, de Vitória (ES), parceira da iniciativa. Além das doações às instituições sociais, o plantio atende o consumo no estabelecimento penal.

Hidroponia

No sistema hidropônico, as hortaliças são imersas numa solução de água contendo os micro e macro nutrientes necessários para o desenvolvimento da planta, livre dos problemas climáticos externos (chuvas, ventos e insolação), de forma a acelerar o crescimento das plantas, com aumento de produtividade e uniformidade na produção, se comparado ao cultivo tradicional.

A ação faz parte da política de ações da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) para a ressocialização de detentos e a redução nos índices de reincidência criminal.

Colaborou agente Sônia Nascimento, do EPMNA

Fotos: Divulgação EPMNA

Deixe seu Comentário