Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 25 de Junho de 2019

Cultura e Lazer

Fundação de Cultura traz contação de histórias no estande do Governo no último dia da Expogrande

Governo do Mato Grosso do Sul
Foto: Governo do Mato Grosso do Sul Canções e histórias que fazem crianças e adultos ficarem com os olhinhos grudados nos personagens

O domingo foi de alegria para a garotada que compareceu ao estande do Governo do Estado neste domingo (14.4), último dia da Expogrande 2019. A convite da Fundação de Cultura, o Grupo de Arte Deac, da Divisão de Arte e Esporte da Secretaria Municipal de Educação (Semed), apresentou uma série de canções e histórias que fizeram crianças e adultos ficarem com os olhinhos grudados nos personagens.

Os bailarinos, músicos e contadores de histórias Leon Gondin, Michele Dominique, Rafael Bendô, Adriana Portugal e Gisele Martins, com seus figurinos coloridos, encantaram o público com “A lenda da Vitória Régia”, conto popular do Brasil, a história do João Jiló, de José Mauro Brant, “O Pássaro Encantado”, de Rubem Alves e canções de Márcio de Camillo e composições próprias de Rafael Bendô.

Para chamar o pequeno público para participar, o grupo fez um cortejo ao redor do estande. Depois, mostraram em páginas coloridas de um livro gigante a história da índia que virou planta, também dramatizada pelo grupo na forma de contação de histórias.

Mas as aventuras de João Jiló, que cortou e comeu um pássaro, foi a que arrancou gargalhadas dos pequenos e grandes espectadores. A hora que o bicho saiu pelo umbigo do João provocou um pequeno suspense, que terminou com explosões de entusiasmo da plateia surpresa.

Os irmãos Pedro, de dois anos, e Joaquim, de apenas oito meses, e sua priminha Maria Fernanda, de quatro anos, eram um dos mais animados. Os três pulavam, aplaudiam e batiam palmas com as peripécias do João Jiló, narradas pelo grupo. O pequeno Joaquim, durante a primeira entrevista de sua vida, deu uma amostra de sua animação, abrindo um sorriso e batendo palmas. “A arte trabalha a paciência deles, eles ficam menos inquietos, diz o pai Gustavo Mendes, que trabalha na Ceasa (Centrais de Abastecimento de Mato Grosso do Sul). “A vivência, a ludicidade, o faz-de-conta, acrescentam para a criança, principalmente nos primeiros anos”, concorda a mãe, a professora de Educação Física Priscilla Mendes.

A diretora-presidente da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, Mara Caseiro, que também levou seus netos para o estante neste domingo, afirmou ser importante que a cultura interaja com o mundo dos negócios. “A cultura, neste evento tão importante para o Estado, converge com o mundo dos negócios. A participação da Fundação de Cultura na Expogrande propicia apresentar a cultura como forma de inserção social e econômica, como entretenimento e mostra a arte como meio de transformação social e geração de renda”.

Pensado para aproximar o cidadão do poder público, o estande do Governo do Estado contou com a participação de diversas instituições estaduais ligadas ao campo, ciência, tecnologia, trabalho, lazer e cultura. No local foram oferecidas séries de palestras, oficinas e atendimentos institucionais.

Karina Medeiros de Lima – Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS).

Fotos: Ricardo Gomes.

Deixe seu Comentário