Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 23 de Setembro de 2019

Economia e Negócios

Fique por dentro de 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira

Investing.com
Foto: Divulgação / Assessoria fiquejpg.jpg

 O governo dos EUA soou o alarme contra os cigarros eletrônicos após uma onda de problemas pulmonares agudos e às vezes fatais, os exportadores da China sentem a dor das tarifas do presidente Donald Trump e a Arábia Saudita substitui seu ministro do petróleo. Confira as cinco principais notícias desta segunda-feira, 9 de setembro, sobre os mercados financeiros.
1. Ações devem abrir em alta
Wall Street deve abrir a semana um pouco mais alta após um fim de semana relativamente livre de drama, pelo menos no que diz respeito às principais questões de política comercial e monetária.
Às 8h25, os futuros do Dow subiam 54,5 pontos ou 0,21%, enquanto o S&P 500 futuros subia 7,37 pontos ou 0,25% e os futuros do Nasdaq 100 subiam 15,25 pontos ou 0,19%.
Nem o dólar nem o mercado de títulos estão mostrando uma direção clara na sequência de um relatório do mercado de trabalho na sexta-feira que mostrou um crescimento mais lento das folhas de pagamento, mas sólidos ganhos salariais e, nas palavras da economista de Harvard, Megan Greene, permitiu que todos projetassem seus preconceitos existentes quanto à isto.
2. Todo mundo sofre, especialmente os exportadores chineses
A economia da China está sofrendo com a imposição de tarifas nos EUA. Dados recentes mostraram que as exportações caíram 1% ao ano em agosto, bem abaixo do esperado aumento de 2%. As importações caíram 5,6%, um pouco abaixo do esperado, enquanto o superávit comercial do país diminuiu quase um quarto, para US$ 34,8 bilhões, comparados com US$ 45 bilhões em julho.
Os números aparecem apenas alguns dias depois de outros mostrarem que o déficit comercial dos EUA com a China está claramente diminuindo, mesmo que seu déficit comercial geral não tenha caído tanto.
Em outros lugares, houve sinais de vida na economia alemã, com as exportações obtendo um ganho de 0,7% no mês de julho e desafiando as expectativas de outra queda.
3. Ações de tabaco e maconha em foco após alerta do CDC sobre produtos vaping
Os ações de tabaco podem estar em foco mais tarde, depois que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças alertou na sexta-feira que produtos vaping podem ser responsáveis ​​por uma onda de problemas de saúde súbitos e agudos.
O CDC disse que sua investigação está em andamento e não identificou uma causa, mas todos os casos relatados têm um histórico de uso de produtos de cigarro eletrônico.
A notícia chega quase uma semana depois de relatos de que a Philip Morris International (NYSE:PM) e a Altria (NYSE:MO) estavam procurando se recompor, com o objetivo de recuperar o crescimento através dos produtos de cigarro eletrônico.
4. Parlamento do Reino Unido deve debater novas eleições
Outra semana crucial para a libra esterlina começou com o primeiro-ministro Boris Johnson sendo informado por seu colega irlandês, Leo Varadkar, de que ele não via substitutivo aceitável para os chamados acordos de "apoio" projetados para facilitar o comércio sem restrições na fronteira irlandesa após o Brexit.
No fim de semana, Amber Rudd, uma ministra sênior, renunciou ao governo de Johnson dizendo que não via evidências de que ele quisesse garantir um acordo com a UE antes do prazo de 31 de outubro, enquanto outros ministros negavam os rumores de que a seguiriam em breve.
O projeto de lei aprovado na semana passada, que exige que Johnson solicite uma extensão de três meses do prazo do Brexit, deve receber o consentimento real e se tornar lei na segunda-feira. A Câmara dos Comuns debaterá a possibilidade de uma eleição geral rápida, que agora é amplamente vista como a única maneira de romper o atual impasse. A libra britânica subia 0,6% em relação ao dólar e 0,3% em relação ao euro, após uma modesta surpresa positiva dos dados da produção industrial e da construção de julho.
5. Arábia Saudita demite ministro do Petróleo
A Arábia Saudita substituiu Khalid al-Falih como ministro da Energia pelo príncipe Abdulaziz bin Salman, um veterano do Ministério da Energia e meio-irmão do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, o governante de fato do reino.
A nomeação rompe com a tradição, já que a Arábia Saudita geralmente nunca confiou o importante ministério do petróleo a um único membro da família real antes. Como tal, a mudança parece ser mais uma tentativa de consolidar o poder por "MBS", acrônimo pelo qual é conhecido o príncipe herdeiro.
Não está claro se a medida reflete alguma mudança iminente na política de produção da Arábia Saudita, embora alguns tenham visto que está acelerando o cronograma da oferta pública inicial da empresa nacional de petróleo, Saudi Aramco.
Os preços do petróleo subiram no fim de semana, apoiados pelo rompimento final do Irã com o acordo da ONU que limitava suas ações de enriquecimento nuclear e pela contagem de plataformas de Baker Hughes, que mostrou o número de plataformas de petróleo ativas caindo para o menor nível em dois anos na semana passada. Às 7h, os contratos futuros do WTI subiam 0,9% a US$ 57,05 por barril, enquanto os futuros do Brent subiam 0,8%, a US$ 62,05 por barril.

Deixe seu Comentário