Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 23 de Setembro de 2019

Mato Grosso do Sul

Em evento varejista, governador defende reformas estruturantes para crescimento da economia

Governo do Estado do Mato Grosso do Sul
Foto: Governo do Estado do Mato Grosso do Sul governador

 Marcando presença na abertura do Superamas, o maior evento varejista no formato congresso e feira de negócios em Mato Grosso do Sul, o governador Reinaldo Azambuja voltou a defender a execução de reformas estruturantes para o crescimento econômico do País. Na lista do Governo Federal estão as remodelações previdenciária e tributária.

“As reformas são o grande desafio. Já fizemos aqui (em Mato Grosso do Sul) mudanças administrativas e previdenciária que geraram economia. Agora precisamos de uma mesma lógica no cenário nacional”, pontuou o governante nesta terça-feira (10).

Ele voltou a defender a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que moderniza as regras da previdência no País e está em tramitação no Senado Federal. Disse ainda que a possibilidade de equação igualitária para servidores municipais, estaduais e federais acarretará em um “ganho extraordinário” para o Brasil.

Ainda no campo das reformas, Reinaldo Azambuja observou que o Estado fez o “dever de casa” e que a economia já dá sinais de crescimento.

“Quanto mais a economia crescer mais os setores terão oportunidades geradas – emprego, renda e consumo. Mato Grosso do Sul, por exemplo, bateu recorde no mês de julho de 2019 na geração de mais de 1.200 novas vagas de trabalho (dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Só o setor do comércio contribuiu especificamente com 44% desse crescimento”, expressou.

MS também teve recorde na abertura de empresas, com 757 novos empreendimentos em julho – o melhor desempenho desde 2013. Em agosto, o número foi um pouco menor, 662 novas empresas, mas também foi o melhor resultado para o mês desde 2013. Os dados são da Jucems.

Por fim, o governador reconheceu a retração da economia nacional e comentou sobre duas as estatais sul-mato-grossenses, Sanesul e MSGás, que, na contramão do cenário de crise, registraram crescimento nos lucros e dividendos que são usados em áreas essenciais, como saúde, segurança e educação.

“As duas geraram lucro de R$ 108 milhões a Mato Grosso do Sul em 2018, diferente da maioria das mais de 400 estatais do Governo Federal que geram prejuízo a nação brasileira. Precisamos inverter isso”, avaliou.

Bruno Chaves e Paulo Fernandes, Subsecretaria de Comunicação (Subcom)

Foto: Chico Ribeiro

Deixe seu Comentário