Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 22 de Agosto de 2019

Mato Grosso do Sul

Dirigentes do sistema penitenciário de MS se reúnem para compartilhar experiência

Governo do Mato Grosso do Sul
Foto: Governo do Mato Grosso do Sul Encontro para Dirigentes do Sistema Penitenciário de Mato Grosso do Sul

Agente penitenciária da área de Assistência e Perícia, psicóloga Giselle da Silva Marques de Barros, atua como diretora do Patronato Penitenciário de Corumbá há três anos e garante que o Encontro para Dirigentes do Sistema Penitenciário de Mato Grosso do Sul foi primordial para alinhar os serviços prestados e adequar as especificidades de cada unidade.

Promovido pela Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), por meio da Escola Penitenciária (Espen), o encontro foi destinado a servidores que ocupam funções gerenciais de todos os presídios do estado e Patronatos Penitenciários, e aconteceu entre os dias 11 e 12 de julho, no período integral, totalizando 20 horas.

“Foi um momento de agregar conhecimento e aperfeiçoamento profissional, mesmo porque tem muita coisa mudando, seja legislação, questões ligadas aos tipos de liderança, inteligência emocional, saúde mental, direitos humanos ou monitoramento virtual, e precisamos acompanhar. Isso nos deu suporte e mais firmeza para aplicarmos a legislação, além de ser um momento de compartilhar experiências também”, enfatizou Giselle, que atua na Agepen há 14 anos.

Já para a diretora do Estabelecimento Penal Feminino de Regime Semiaberto e Aberto e Assistência à Albergada de Campo Grande, Cleide Santos do Nascimento Freitas, o ponto principal foi a participação de profissionais de áreas diversas, tais como médicos, psicólogos, delegados e técnicos da área de contrainteligência.

“Foram repassadas orientações, conhecimentos e informações importantes, colaborando para aprimorar os procedimentos dentro das unidades prisionais, tanto no que se refere ao preso quanto ao próprio servidor, nas questões de relacionamento interpessoal e de bem-estar também”, enfatizou.

Durante o encontro, o diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves, falou sobre a importância do Programa de Gestão por Competência, adotado pelo Governo do Estado, com foco no desenvolvimento dos servidores e a melhoria contínua dos serviços prestados à população. Além disso, forneceu algumas orientações técnicas aos dirigentes.

“Nosso objetivo é alinhar o desenvolvimento dos trabalhos, assim como, fomentar uma forma de diálogo mais participativa e direta entre os gestores de unidades prisionais e Patronatos Penitenciários. Parabenizo a iniciativa e a participação de todos os servidores, que se dispuseram a compartilhar informações e que muito contribuíram com a troca de experiências”, agradeceu o dirigente.

O diretor de Administração e Finanças da Agepen, Arnold Rosenacker, também passou algumas orientações técnicas importantes relacionadas à rotina administrativa do sistema penitenciário. 

Conhecimento

Dentre os diversos temas trabalhados durante o Encontro dos Dirigentes do Sistema Penitenciário de Mato Grosso do Sul estão aspectos relacionados à saúde mental e gestão emocional. O Núcleo de Apoio Psicossocial ao Servidor da Agepen trouxe uma especialista no assunto para abordar também questões relacionadas à dependência química, ações preventivas e outras orientações pertinentes ao sistema prisional.

A médica psiquiatra, Letícia de Souza Soares da Rocha, ressaltou a importância do conhecimento técnico sobre as doenças psiquiátricas repassado aos gestores penitenciários. “É uma maneira para que possam identificar e ajudar alguém que esteja sofrendo algum transtorno, seja outro servidor ou mesmo um familiar, encaminhando eles para o tratamento. Além disso, o objetivo é quebrar paradigmas e preconceitos de que isso seja apenas ‘frescura’, todos precisam entender que isso é uma doença e tem uma saída”, reforçou.

Letícia também tratou sobre a síndrome de Burnout, considerada um distúrbio psíquico caracterizado pelo estado de tensão emocional e estresse crônico provocados por condições de trabalho desgastantes. Na maioria das vezes, atinge profissionais da área de segurança e da saúde.

As doenças psiquiátricas, apesar de ainda não serem reconhecidas como corporativas, são inter-relacionadas ao trabalho e à vida pessoal. “Para obter um tratamento eficaz é imprescindível mudança no estilo de vida, seja com atividade física, alimentação balanceada ou algo que lhe proporcione prazer; além do apoio familiar, sessões de psicoterapia e, nos casos mais graves, internação”, explicou a psiquiatra.

Além disso, foram abordados sobre os mecanismos de monitoramento, com a utilização de tornozeleiras eletrônicas; como a ativação, desativação, inspeção, descumprimento e sigilo da monitoração. O tema foi apresentado pelo diretor da Unidade Mista de Monitoramento Virtual Estadual, Ricardo Teixeira de Brito.

A chefe da Divisão de Saúde da Agepen, Maria de Lourdes Delgado Alves, tratou sobre a Lei de Execução Penal e os Direitos Humanos no Sistema Prisional. A ideia foi abordar princípios que constituem os Direitos Humanos; reconhecer dinâmicas que compõem a identidade dos indivíduos e seus grupos; identificar aspectos da diversidade visando promover e realizar direitos; considerar características e necessidades dos diferentes grupos.

Os dirigentes também receberam orientações sobre as tecnologias da informação dentro do sistema penitenciário, pelo chefe do Núcleo de Informática da Agepen, Pedro Alosio Viol. Durante o encontro também puderam sanar dúvidas sobre os sistemas de informação como o e-DOC, o Sistema de Gestão Integrada (SGI), o Sistema Integrado de Administração Penitenciária (Siapen), e outros. O agente penitenciário Wagner França, um dos desenvolvedores do Siapen, também participou da apresentação.

Além disso, os dirigentes participaram ainda de palestras com diferentes temas como “Inteligência Emocional”; “O Crime Organizado e o Sistema Prisional do MS”; e “Diversidade Sexual”.

Ao final, os servidores apresentaram trabalhos de conclusão com relatórios sobre os temas expostos durante o curso, pontuaram dificuldades relacionadas ao trabalho administrativo, apontaram soluções tangíveis, expectativas e sugestões de temas para outros encontros.

A Escola Penitenciária agradece o apoio dos servidores que se dispuserem, voluntariamente, a contribuir com a disseminação do conhecimento, dentre eles, José Ricardo Nunes da Cunha, Pedro Viol, Wagner França, Maria de Lourdes Delgado Alves, Ricardo Teixeira, Maria Roseneusa dos Santos Oliveira e equipe; além dos colaboradores, subsecretário de Políticas Públicas LGBT, Frank Rossatte; a mestra em Gestão de Recursos Humanos e Gestão do Conhecimento, Margarida Machado; o delegado da Polícia Civil, João Eduardo Santana Davanço; e os representantes do 6º Batalhão de Inteligência do Exército, capitão Everaldo e capitão Mateus.

Texto e fotos: Tatyane Santinoni.

Deixe seu Comentário