Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 23 de Setembro de 2019

Manchete dos Jornais

Confira as Manchetes dos Jornais desta sexta-feira (3)

EBC - Radiobras
Foto: Tereré News Manchete dos Jornais

03 de maio de 2019

O Globo

Manchete: Moro e militares defendem escolha da PGR por lista tríplice

Objetivo é garantir que procurador-geral tenha liderança sobre o Ministério Público Federal



Preocupado em garantir que o Ministério Público Federal seja dirigido por alguém com liderança na instituição, o ministro da Justiça, Sergio Moro, defende a escolha do futuro procurador-geral da República a partir da lista tríplice resultante da eleição promovida pela Associação Nacional de Procuradores da República. Militares do alto escalão, como os ministros Santos Cruz, da Secretaria de Governo, e Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional, também são favoráveis a esse critério. A inscrição de candidatos começa segunda-feira, para eleição em 18 de junho. O indicado será sabatinado no Senado. (Página 4)

Cabral diz que pagou propina a Cláudio Lopes

O ex-governador Sérgio Cabral disse ao Ministério Público que pagou R$ 200 mil e mesadas ao ex-procurador-geral do Rio por “proteção”. (Página 6)

O novo normal rastro de destruição

Os estragos do vendaval de domingo ainda são visíveis no Rio, que tem bairros sem energia e galhos e fiações caídos nas ruas. Na Muzema, onde 24 pessoas morreram em queda de prédios há 20 dias, quadro é de abandono. (Página 9)

 

Em posição vulnerável, Maduro reúne militares

Após relatos de que integrantes da cúpula das Forças Armadas haviam aderido ao movimento do autoproclamado presidente interino Juan Guaidó, e desistido, em cima da hora, de destituir o presidente Nicolás Maduro, o líder chavista ficou em posição vulnerável e reagiu fazendo pronunciamento ao país de um quartel-general na madrugada de ontem. No discurso, a palavra “lealdade” foi mencionada várias vezes. Segundo analistas, os militares rebeldes recuaram no apoio a Guaidó, que não saiu às ruas ontem, após sua decisão de antecipar a ação.

Com prisão decretada novamente pela Justiça, o líder oposicionista Leopoldo López está refugiado na embaixada espanhola. Sua casa foi revirada por agentes da inteligência do governo (Sebin). (Página 22 e 23)

Planos de saúde se reestruturam e podem reduzir rede credenciada

Perda de 3,1 milhões de beneficiários desde 2014 e alta dos custos levaram os planos de saúde a rever modelo de negócios. (Página 17)

Alfabetização será avaliada por amostragem com alunos do 2° ano

Portaria do MEC define que só uma amostra do total de alunos do 2° ano do ensino fundamental seja submetida a provas. (Página 26)

Executivo da Latam vê preços em alta no setor por ao menos 6 meses

Para Jerome Cadier, presidente da operação brasileira da Latam, tarifas cairão quando empresas absorverem demanda da Avianca. (Página 21)

 

Argentina

Bolsonaro pede a Deus que Cristina Kirchner perca

Bernardo Mello Franco

Ex-chanceleres dizem que foi erro tratar Guaidó como presidente (Página 5)

Míriam Leitão

Não falta tema urgente na Educação, o que falta é foco ao governo (Páginas 18)

Nelson Motta

Mourão não é ameaça a Bolsonaro, como veem os filhos do ‘Mito’ (Página 3)

 

Merval Pereira

Academia de Ciências protesta contra corte de verbas em Humanas (Página 2)

------------------------------------------------------------------------------------

O Estado de S. Paulo

Manchete: Governo vai propor corte de um terço de subsídios até 2022

Valor equivaleria a 1,5% do PIB, ou cerca de R$ 102 bilhões; projeto deve enfrentar lobbies e resistências



O governo planeja cortar em mais de um terço os subsídios de que hoje desfrutam alguns setores da economia. A equipe econômica incluiu no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2020 dispositivo que exige um plano de redução das renúncias em 0,5% do PIB ao ano até 2022. O valor equivaleria a 1,5% do PIB, ou cerca de R$ 102 bilhões. O governo, porém, não divulgou quais setores entrarão na mira. A redução dos subsídios – que hoje representam 20,9% da arrecadação da Receita – deve enfrentar resistências e lobbies. Na semana passada, o STF decidiu estender benefícios a empresas que compram insumos da Zona Franca de Manaus. O custo é de pelo menos R$ 16 bilhões por ano. Hoje, a maior renúncia é com o Simples Nacional: R$ 74,8 bilhões por ano. (Economia / Pág. B1)

Incerteza política confunde bancos em projeções sobre Previdência

Bancos e consultorias têm feito projeções “elásticas” para a economia que será conseguida com a reforma da Previdência nos próximos 10 anos, reflexo da incerteza política em torno da proposta. As estimativas vão de R$ 400 bilhões a R$ 990 bilhões de economia – o governo quer R$ 1,2 trilhão. Analistas concordam, no entanto, que pontos importantes da reforma devem mudar e alterar os cálculos. (Economia / Pág. B3)

Maduro posa com militares; Justiça manda prender López

O Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) da Venezuela emitiu ontem pedido de prisão do líder opositor Leopoldo López, refugiado desde terça na Embaixada da Espanha, quando fugiu de prisão domiciliar, informa o enviado a Caracas, Pablo Pereira. O TSJ quer que ele cumpra a pena, de 14 anos, em regime fechado. O governo espanhol afirmou que não pretende entregá-lo. Também ontem, Nicolás Maduro foi à Academia Militar de Caracas e desfilou com a tropa. Um dos chefes militares, Remigio Ceballos defendeu que a Venezuela receba ajuda militar de países aliados. (Internacional / Págs. A10 a A12)

‘A Argentina é mais importante’

Bolsonaro disse que se preocupa com a Argentina, que “pode voltar para esquerdista Cristina Kirchner”. (Pág. A11)

Moro chama de ‘prematura’ promessa feita por Bolsonaro

O ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) disse que a discussão sobre a isenção de punição a produtores rurais que atirarem contra invasores de terra – promessa de campanha reiterada por Jair Bolsonaro – é “prematura”. O tema é mais um ponto de descompasso entre Moro e o presidente, que já mostram desencontros em temas como a jurisdição do Coaf. (Política / Pág. A6)

Alfabetização será avaliada por amostra

O MEC anunciou que a avaliação de alfabetização será feita por amostra, com alunos do 2.º ano do fundamental (de 7 anos). A justificativa é economizar. (Metrópole / Pág. A14)

Fernando Gabeira

Os políticos que propõem soluções simples para problemas complexos vencem de goleada no Brasil de hoje. (Espaço aberto / Pág. B2)

Eliane Cantanhêde

Além de Guaidó, os derrotados com a operação estabanada na Venezuela foram os serviços de inteligência dos EUA. (Política / Pág. A6)

NOTAS & INFORMAÇÕES

Concepções de política

O cotidiano do exercício do poder parece afinal ter ensinado a Bolsonaro que, numa democracia, a atividade política não é algo opcional, é essencial. (Pág. A3)



O futuro opaco e o amor filial

Vendas do Dia das Mães são esperança de animação econômica no trimestre. (Pág. A3)

------------------------------------------------------------------------------------

Folha de S. Paulo

Manchete: Intervenção militar é última opção na Venezuela, diz Guaidó

Líder opositor afirma à Folha que processo para depor Maduro pode levar 'um pouco mais de tempo'



À frente do movimento p ara deporNieolás Maduro, Juan Guaidó não exclui a intervenção militar como saídapara a Venezuela, mas a considera a última opção. “Antes, é pressionar para uma transição livre”, disse, em entrevista a Sylvia Colombo. Guaidó reconheceu “certa frustração” pelo fato de o ditador ter se mantido no poder ao fim da ultima terça (30), quando parte dos militares se uniu à mobilização e houve vários protestos nas ruas. “Há muita expectativa de um desenlace feliz.” A transição levará “um pouco mais de tempo”, mas já é vista por ele como um fato. O autoproclamado presidente da Venezuela, reconhecido por mais de 50 países, rechaça a acusação de golpe. “Militares que estão comigo são leais à Constituição.” Outros oficiais se juntarão ao levante, segundo Guaidó, mas Maduro ainda conta com o apoio da cúpula. Ontem, o ditador promoveu uma marcha com milhares de soldados em uma base em Caracas, acompanhado do ministro da Defesa. Sobre um eventual cenário pós-chavismo, Guaidó estima entre seis e nove meses o prazo necessário para realizar eleições livres. Ele não se apresenta como candidato, ao menos por ora. “Vamos decidir quando for o momento.” (Mundo A10)

Bolsonaro afirma que vai ‘até limite do Itamaraty’

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse ontem que seu governo está disposto a “fazer de tudo” para que o Brasil ajude a Venezuelano processo de restabelecimento da democracia. “Vamos até o limite do Itamaraty, sem partir para as vias de fato”, afirmou, em entrevista a Mônica Bergamo. O Brasil, segundo ele, tem recebido muitos informes do país vizinho. O presidente declarou crer que Nicolás Maduro possa cair por causa do desgaste que vem sofrendo com a ação do autoproclamado presidente Juan Guaidó, reconhecido como tal pelo Brasil. “Essa fissura que existe na base dos militares pode subir para o alto escalão [das Forças Armadas].” Para Bolsonaro, o ditador é vigiado pelos generais, e também por cubanos e russos. (Mundo A1O)

Justiça Eleitoral copia Lava Jato para apurar corrupção

Tribunais regionais criam zonas especializadas pelo país para se adequar à decisão do STF de considerar que crimes como corrupção e lavagem de dinheiro, quando investigados junto com caixa dois, devem ser processados no braço eleitoral da Justiça. (Poder A4)

Leopoldo López diz que se reuniu com militares na prisão; regime ordena nova detenção (Pág. A12)

Para Mourão, opositores de Maduro não tomaram a melhor decisão em ação contra ditador (Pág. A10)

Governo pode ceder em lei de combate a fraudes no INSS

A equipe econômica negocia com o Congresso alterações na medida provisória que passa um pente fino nas contas do INSS. O governo pode ceder em relação à obrigação de idosos carentes abrirem mão do sigilo bancário ao pedir benefício. (Mercado A16)

MEC confirma que avaliação de ensino será por amostra

Depois de suspender a avaliação de alfabetização e recuar da decisão, o governo Bolsonaro confirmou que aplicação da prova do Saeb (exame da educação básica) será feita por amostragem neste ano, conforme antecipou a Folha em abril.(Cotidiano B3)

BB e consulado brasileiro patrocinam homenagem a Bolsonaro em NY (Pág. A14)

Editorial (A2)

Gás para crescer

Acerca de plano para quebra de monopólio estatal.



Propriedade e vida

Sobre proposta descabida contra invasores de terras.

Deixe seu Comentário