Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 22 de Maio de 2019

Agro e sustentabilidade

Comprometido com a sustentabilidade, agro prioriza preservação e uso racional da água

Famasul
Foto: Famasul

A sustentabilidade é uma das maiores prioridades do agro em Mato Grosso do Sul. Por isso, a produção, preservação e uso racional da água são questões que fazem parte do dia a dia dos produtores e um dos principais assuntos trabalhados pelo Sistema Famasul e o Senar/MS, desde a área educacional até a orientação a agricultores e criadores, com os programas de Assistência Técnica e Gerencial (ATeGs).

O presidente do Sistema Famasul, Maurício Saito, destaca que uma iniciativa voltada para a preservação das fontes de água no estado foi o programa Proteção de Nascentes do Senar. A iniciativa mapeou 250 nascentes nas propriedades rurais de 13 municípios, possibilitando que além de identificadas, as áreas fossem cercadas, limpas e passassem por um processo de controle de erosão e replantio de espécies nativas, assegurando sua conservação. “Além da preservação dos nossos mananciais, o agro tem uma preocupação grande com o uso racional da água. Temos no estado vários exemplos de iniciativas muito bem-sucedidas com o uso de novos sistemas produtivos, adoção de boas práticas e utilização de novas tecnologias”, avalia Saito.

Entre os sistemas produtivos que asseguram o melhor aproveitamento da água disponível no solo está o de integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF). “Com esse sistema possibilitamos que as três atividades: o cultivo de grãos, a silvicultura e a pecuária, ao longo do tempo, sejam utilizadas da melhor forma; e ainda assegurem a preservação do solo e da água”, comenta o diretor técnico do Senar/MS, Renato Roscoe.

O uso racional da água, de acordo com o presidente do Sistema Famasul, também faz parte do cotidiano do trabalho dos técnicos dos ATeGs do Senar/MS com os produtores. “No Hortifrúti Legal, os técnicos trabalham com os agricultores o uso da irrigação por gotejamento, que é aquela feita com uma mangueira que tem pequenos furos, o que otimiza o uso da água. Também difundem o sistema de mulching, em que o solo é coberto por uma lona, o que mantém a matéria orgânica e preserva a umidade, reduzindo a necessidade de água e ainda a cobertura com palha, como no sistema de plantio direto, que também tem os mesmos objetivos do mulching”, explica o gestor do Hortifrúti Legal, Francisco Paredes.

Saito destaca que até mesmo águas residuais de atividades do agro estão sendo reaproveitadas, para maximizar o uso do precioso recurso. “Na lavagem de pátios e salas de ordenha, muitos nutrientes estão ali. Então com a captação e depois o tratamento da água utilizada nesse processo, temos um efluente riquíssimo em nutrientes, que pode ser utilizado na fertirrigação de lavouras, fazendo com que o que antes seria desperdiçado ganhe um novo propósito”, comenta a analista técnica do Senar/MS, Ana Beatriz Paiva.

Para demonstrar todo esforço do agro para conservar e usar de modo sensato a água disponível no estado, o Sistema Famasul e o Senar/MS escolheram o assunto como tema do programa Agrinho em 2018 e também do Prêmio Sistema Famasul de Jornalismo. Para mais detalhes, acesse nossa página na internet e nossos canais nas redes sociais.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Sistema Famasul

Deixe seu Comentário