Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 17 de Outubro de 2019

Internacional

Centenas de marroquinas declaram-se fora da lei para defender a sua liberdade

Expresso - Portugal
Foto: Divulgação / Assessoria centenasjpg.jpg

Atomada de posição, uma iniciativa rara com esta amplitude, é igualmente divulgada pelo diário francês "Le Monde", que lhe dedicará a sua primeira página da edição de terça-feira.
"Somos fora-da-lei. Violamos leis injustas, obsoletas e desnecessárias. Tivemos relações sexuais fora do casamento. Sofremos, realizámos ou fomos cúmplices de um aborto", afirmam as signatárias da carta aberta.
"A cultura da mentira e da hipocrisia social gera a violência, o arbitrário, a intolerância. Estas leis, liberticidas e inaplicáveis, tornaram-se ferramentas de vingança política ou pessoal", declara o manifesto lançado como uma petição aberta aos homens.
O texto, com coautoria da escritora franco-marroquina Leila Slimani, conta simbolicamente com 490 assinaturas, uma referência ao artigo 490 do código penal marroquino que pune com a prisão as relações sexuais fora do casamento.
A sua publicação coincide com a terceira audiência do julgamento de Hajar Rainoussi, uma jornalista detida desde o final de agosto por "aborto ilegal" e "deboche" (sexo fora do casamento).
A repórter do diário em língua árabe Akhbar Al-Yaoum denuncia um "caso político" desde que foi presa.
A libertação de Rainoussi foi rejeitada a semana passada pelo tribunal de Rabat, assim como a do seu namorado, do médico, da enfermeira e da secretária de uma clínica, detidos na mesma altura que a jornalista.
Além desde caso, o manifesto das "fora-da-lei" quer "defender todas as vidas destruídas pela infâmia ou a prisão", declarou à agência France-Presse Leila Slimani, nomeada em 2017 representante pessoal do presidente francês, Emmanuel Macron, para a Francofonia.
"É uma campanha apoiada por uma diversidade de mulheres, professoras, banqueiras, domésticas, estudantes, artistas ou intelectuais", disse à AFP a realizadora Sonia Terrab, coautora do texto.
"Não aguento mais. Porque o meu corpo pertence-me, não pertence nem ao meu pai, nem ao meu marido, nem aos que me rodeiam, nem aos olhos dos homens na rua e ainda menos ao Estado", afirmam as signatárias.
O texto evoca na sua forma o manifesto feminista das "343 vadias", que levou à revogação da lei sobre o aborto em França no início dos anos 1970.
Em 2018, a justiça marroquina processou 14.503 pessoas por deboche, 3.048 por adultério, 170 por homossexualidade e 73 por interrupção voluntária da gravidez, segundo os dados oficiais.
As estimativas apontam para que se realizam diariamente em Marrocos entre 600 e 800 abortos clandestinos.
LUSA
 

Deixe seu Comentário