Campo Grande/MS, 14 de Novembro de 2018

Campo Grande

Capital terá escola municipal do Suas e plano de educação permanente

Redação TerereNews
Foto: escola escola
escola

O ano de 2018 será de mudanças significativas na Assistência Social em Campo Grande. Entre os muitos desafios propostos para o próximo ano, destaque para a implantação da Escola Municipal do Sistema Único de Assistência Social (Suas) e o Plano de Educação Permanente.

A escola oferecerá um espaço propício para realização de cursos de aperfeiçoamento e extensão destinados aos trabalhadores e conselheiros das políticas de direitos vinculados ao SUAS, garantindo cursos de especialização, seminários, congressos, workshop, simpósios e demais eventos relacionados à política de assistência social.

Já o Plano de Educação Permanente assegura instrução permanente aos trabalhadores, como forma de valorização e de qualificação dos serviços prestados pela política. Ele terá por finalidade promover o aprimoramento da gestão e a progressiva capacitação dos gestores, trabalhadores e conselheiros de assistência social, com treinamento, especialização e qualificação dos serviços. Sua finalidade é coordenar e executar programas de formação e de capacitação para servidores públicos e agentes da sociedade, promovendo eventos e desenvolvendo estudos para o fomento de pesquisa e produção científica sobre temas de interesse da política de assistência social.

Balanço

Neste primeiro ano de gestão, a Prefeitura de Campo Grande priorizou investimentos em inclusão social. O Projeto Sonho de Campeão, idealizado pela vice-prefeita Adriane Lopes, e realizado em parceria com a Fundação Municipal do Esporte, é um destes exemplos de acolhimento. O projeto possibilitou acesso à atividades recreativas e esportivas aos sábados para as Unidades de Acolhimento Institucional, alcançando uma parceria conjunta, integrada e interventiva.

Os serviços também foram ampliados, com a implantação de mais um Centro de Referência de Assistência Social, o “João Renato Pereira Guedes – O Picolé”, passou a ofertar ações que visam à inclusão, promoção social, inclusão produtiva, fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários, bem como a participação popular.

A atual gestão tirou do papel o Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora, que tinha sido legalizado em 2013, mas não foi colocado em prática.  O programa é constituído por famílias que estão dentro dos critérios estabelecidos pela lei, para receberem crianças e/ou adolescentes mediante guarda provisória por até dois anos, com o intuito de prestar atendimento as suas necessidades de cuidado, atenção, carinho e afeto, até que suas famílias de origem tenham condições de recebê-las de volta, ou na impossibilidade, sejam encaminhadas para adoção.

A Superintendência de Proteção Social Básica também se desdobrou para atender solicitação do Ministério Público quanto as inconsistências nas informações de cadastros do Bolsa Família. Foi necessário um mutirão de toda a secretaria para que a averiguação fosse cumprida no prazo determinado, realizando 3.456 visitas em tempo recorde de 60 dias.

Outra importante conquista foi a inauguração da Unidade de Acolhimento Institucional em Residência Inclusiva – Unidade II, por meio da Gerência de Rede de Proteção Social Especial de Alta Complexidade da Superintendência de Proteção Especial. Com capacidade para atender dez pessoas com deficiência, entre 18 e 59 anos, o local oferece atividades em período de funcionamento ininterrupto (24 horas), com profissionais das áreas de psicologia, assistência social, terapia ocupacional, além de cuidadores sociais.

“Foi um ano atípico, de grandes mudanças no cenário nacional referente à política de assistência social, no sentido de crise no Governo Federal, atrasos de recursos. Nós herdamos muitas coisas dos governos passados, quer seja por decisão judicial ou porque não tinha como esperar, visto que tinham metas para serem cumpridas. No âmbito municipal, conseguimos ter muitos avanços significativos. Foi um ano determinante nas construções das bases do que nós vamos fazer nos próximos anos”, declarou o secretário de Assistência Social, José Mário Antunes da Silva.

O secretário-adjunto, Sérgio Wanderly, ressalta a importância do Projeto “Cuidado de quem Cuida”, que ouviu todos os servidores, observando dificuldade e apresentando soluções para um atendimento melhor.  “Trabalhamos as perspectivas, colocando em eixos, estruturando o que vamos fazer nos três anos que ainda faltam deste mandato. Estamos dando passos, buscando aprimoramento do serviço”, concluiu.

Fonte: Prefeitura Municipal de Campo Grande/MS

Deixe seu Comentário