Campo Grande - Mato Grosso do Sul, 17 de Junho de 2019

Educação

Câmara de Vereadores recebe alunos de escola pública para avaliação de metodologia de aprendizagem

Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal
Foto: Divulgação Os testes ocorreram de segunda a sábado da última semana, com estudantes do 9° ano.

Durante uma semana, 25 alunos da Escola Estadual Coração de Maria, de Campo Grande, tiveram oportunidade de conhecer novos caminhos para aprimorar aprendizado de conteúdo, durante avaliação feita pelo Instituto de Potencialidades Humanas (IPH), representante no Brasil do Instituto Feuerstein, de Israel. O teste foi aplicado no Plenário Edroim Reverdito (Plenarinho) da Câmara Municipal. O espaço foi cedido e adaptado com computadores pela Casa de Leis, em parceria com o colégio, para que os alunos pudessem participar de testes on-line.

Os testes ocorreram de segunda a sábado da última semana, com estudantes do 9° ano. Simultaneamente, os testes foram monitorados pela equipe de Israel, onde foi fundado o Instituto com base nas pesquisas do professor e psicólogo israelense Reuven Feuerstein, que criou as teorias da modificabilidade cognitiva estrutura, da experiência da aprendizagem mediada e o Programa de Enriquecimento Instrumental (PEI).  

A experiência é inédita na rede pública de ensino no País, segundo a diretora do Instituto de Potencialidades Humanas, Daniela Zamboni. A aplicação desta avaliação ajuda no mapeamento de como a pessoa aprende. Com base nos resultados, será possível entender como cada aluno processa as informações e orientar a melhor forma para ele aprender. 

Agora, a próxima etapa será analisar os resultados da avaliação com os professores, que já passaram por formação para conhecer a metodologia. “A partir da compilação dos dados, o professor terá como analisar as funções cognitivas operantes, aquelas que precisam ser trabalhadas e poderá agrupar os alunos em sala com base nestas habilidades, aplicando exercícios que contemplem as diferenças modalidades”, afirmou a coordenadora da escola, Nara Cristina Pedroso.  

Inicialmente, segundo Nara, durante a avaliação, os alunos já conseguem reconhecer os caminhos para aprimorar o aprendizado, o que diferencia a metodologia de uma avaliação comum, que apenas sonda o aluno. “Essa avaliação aplica a modificabilidade cognitiva, já instruindo como o estudante pode modificar e aplicar outro método para aprender. Então, durante a avaliação ele já veio aprendendo esses novos métodos”, esclareceu a coordenadora. 

Nara Pedroso agradeceu ao vereador Prof. João Rocha, presidente da Câmara Municipal, pela cedência do espaço e da estrutura disponibilizada para que os alunos pudessem participar da avaliação. 

Deixe seu Comentário