Campo Grande/MS, 15 de Outubro de 2018

Notícias da justiça e do direito

Apreensões de cigarros contrabandeados no Mato Grosso do Sul aumentam em 400%

Redação TerereNews
Foto: prfcigarro prfcigarro
prfcigarro

APREENSÕES DE CIGARROS QUADRIPLICAM NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2017 NO MATO GROSSO DO SUL

Balanço da Polícia Rodoviária Federal aponta que o número de apreensões de cigarros contrabandeados no Mato Grosso do Sul são pelo menos quatro vezes maior em relação ao mesmo período do ano passado.

Um aumento expressivo no número de apreensões de cigarros contrabandeados apreendidos no Mato Grosso do Sul foi registrado em 2017, que quadriplicou em relação ao primeiro semestre de 2016.

De 01 de janeiro a 30 de junho, deste ano, a PRF apreendeu mais de 19 Milhões de maços de cigarros contrabandeados. No mesmo período do ano passado foram apreendidos 5,1 Milhões de maços de cigarros contrabandeados.

Os mais de 19 Milhões de maços de cigarros apreendidos nos seis primeiros meses de 2017 já representam 95% das apreensões realizadas durante os doze meses de 2016.

Desde o ano de 2013 a PRF já apreendeu 91,8 milhões de maços de cigarros contrabandeados, somente no estado.

Pessoas presas por contrabando no Mato Grosso do Sul:

O número de pessoas presas pelo crime de contrabando aumentou significativamente. No primeiro semestre já foram 235 presas por contrabando. No mesmo período de 2016 foram 117 presos.

Valores:

Cada maço de cigarro contrabandeado representa R$ 5,00 em perdas para o comércio ilegal, sem contar as perdas com os veículos que são apreendidos.

Os 91,8 milhões de cigarros apreendidos pela PRF desde 2013 representam mais de R$ 450 Milhões (quatrocentos e cinquenta milhões de reais).

Segundo últimos estudos oficiais o contrabando de cigarros representa perdas bilionárias para a sociedade. Estudo divulgado pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras – IDESF aponta que “o cigarro representa hoje 67,44% de todo o contrabando que entra pelas fronteiras, ou o equivalente a R$ 6.4 bilhões, entre perdas da indústria e não tributação. Destes, R$ 4.5 bilhões correspondem aos tributos que o governo deixa de arrecadar (IDESF, Janeiro 2015).”

Ascom PRF

Foto: Internet

Deixe seu Comentário